segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Personagens - Pt I

Bem Vindos novamente a esta nobre casa sobre nosso Dragão Azul.

Segundo post não fez tanto sucesso quanto o primeiro, por mais que tenha tido maior propaganda. É triste, é triste.

Prometi no final do post passado uma adaptação. Infelizmente não a trarei tão cedo. Preciso juntar mais informação para adaptar... É triste, é triste.

Vamos as boas novas, estou negociando uma nova pessoa para a equipe da taverna. Já que o Musashi e nada por enquanto estão sendo a mesma coisa.

E agora vamos ao que interessa hoje, o artigo de hoje terá um tema que me surgiu por acaso, enquanto conversava com uma amiga (Djuly(que quase me espancou pra eu citar o nome dela no blog quando disse que eu ia fazer da conversa um artigo)) sobre RPG e ela reclamou que ela não fazia bons personagens pelo simples motivos que todos eles refletiam a personalidade dela. Como, tecnicamente, esse é um problema que assola a grande maioria dos novatos (e alguns veteranos) do RPG, decidi escrever sobre ele, para começar uma série de matérias sobre Personagens. Vamos lá!

PERSONAGENS PT I

Eu e meus vários eu.

O RPG começa, empolgação a mil, você monta seu personagem, imagina mil coisas e o jogo começa. Então você percebe que seu personagem tem um estilo muito parecido com o seu e com o personagem anterior, que tinha um jeito muito parecido com o anterior... E o ciclo não tem fim. Se acalme, esse problema não é só seu. É difícil interpretar outra pessoa se não há algo a seguir, algo em que se fixar. RPG é um exercício de criatividade e imaginação, mas não precisa ser tão difícil. Mas sempre há uma saída. Quer mudar e não sabe como?

A resposta é tecnicamente simples. Crie um personagem com múltipla personalidade. Uma delas será igual a você, pelo costume, a outra terá que ser diferente e peça para o mestre e/ou os outros jogadores falarem "isso é mais da outra personalidade". Para melhorar, coloque a troca de personalidade com algo completamente aleatório. Pronto, você está treinando a interpretação de personagens diferentes ao mesmo tempo. Está uma solução básica para quem ta começando, mas extremamente difícil. Criar duas linhas de raciocínio diferentes ao mesmo tempo é complicado. O que um pensa o outro não pode pensar. Dificulta ainda mais pelo fato de que, na maioria dos casos, a memória não é compartilhada, então o que uma personalidade presencia a outra não sabe. Mas ao sobreviver duas campanhas assim você poderá dizer que já consegue sair do padrão de personagem.
Dica: anote o que cada um presenciou em duas folhas separadas. Isso ajuda, e muito, na hora da interpretação de memória.

Mas, isso é complicado, trabalhoso e eu não sou louco, não sei pensar como dois ou mais ao mesmo tempo.

Certo. Para você que não quer nem tentar uma solução tão bizarra quanto essa, acalme-se. Você não ficará preso durante muito tempo ao seu padrão. Há um jeito mais simples, porém não tão eficaz. Ao montar o background do seu personagem, geralmente você coloca alguns traços de personalidade. Faça uma pequena ficha com esses traços de personalidade, além de outras informações sobre o perfil psicológico do seu personagem. Algo mais ou menos assim:

"Meio anti-social. Não gosta de conversar. Fala pouco e sempre muito direto nas conversas. Jamais toma iniciativa de ir falar com alguém, e se for pedido para ele fazer, terão que pedir muito bem para isso. Costuma olhar nervosamente para gente estranha..."

E por ai vai. O ideal é você fazer duas cópias dessa ficha, uma para você e outra para o mestre.
"Por que essa forma não é eficaz?" Vocês se perguntam, e a resposta é simples. Poucos jogadores conseguem se policiar tanto para seguir um papel a sua frente e mesmo assim, se não for muito detalhado a ficha dará possibilidades de você cair na rotina de seu personagem.

E eu sou o mestre, não preciso tomar conta de interpretação... Ainda bem.

Você, mestre de campanha, que pensa isso está redondamente enganado. Uma boa interpretação de personagens diferentes além de aumentar a diversão de uma mesa contribuem para o desenrolar significativo da história. Além de por isso as conversas de jogadores diminuem e viram mais conversas de personagens.

Ok, realmente, ajuda. Mas quem interpreta são os jogadores, não os mestres. Isso é certo, mas o mestre pode ajudar e muito. Nos dois meios que eu indiquei há possibilidade da ajuda do mestre. Outra ação que existe por ai é o chamado XP de interpretação. No qual ao fim de cada sessão o mestre da um XP por interpretação aos jogadores. E com o XP de interpretação você pode começar a regular as conversas de jogadores, pois quanto mais os jogadores trocarem idéias como jogadores, menos interpretação terá.



-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_

Fim de mais um post. Devo passar os próximos posts falando do mesmo tema. Mas com outros assuntos e dou liberdade dos outros taverneiros aproveitarem o tema.
Espero em breve estar apresentando o novo membro da taverna.
Lembrando novamente, comentários são sempre bem vindos. E podem mandar e-mails:
t.dragaoazul@gmail.com

E a lista de precisa-se da Taverna (copiada e colada):
Entendidos: Se você entende BEM de um sistema (ver a lista abaixo) entre em contato, precisaremos de ajuda para montar adaptações, não somos exclusivos de um sistema, então queremos apresentar módulos adaptados para uma variedade boa de sistemas, mas eu e o Musashi não dominamos TANTOS sistemas assim, e nem tão bem.
- Daemon
- Storryteller
- Gurps
- D&D (4.0 / 3.5)

Está na ordem de necessidade. O trabalho não é difícil, o material para a adaptação provavelmente quem fará sou eu, bastando praticamente analisar e ajudar com detalhes de regras.

Taverneiros: SIM! Precisamos de taverneiros, dois ainda é pouco. Precisamos de taverneiros para serem centrados em sistemas, pois já temos dois taverneiros Gerais, não proibindo é claro de que os outros possam postar matérias de conteúdo geral. O número não é regulado.

Interessados nas vagas entrar em contato via e-mail.


Vida longa ao Dragão. Hora de trabalhar. (aquela rima estava horrível, mesmo não sendo minha intenção fazer aquilo)

2 comentários:

Artemis disse...

Ainda vou tomar vergonha na cara e organizar minhas personagens. O post me animou pra fazer isso XD
Acho que não são realmente parecidas... pelo menos ninguém nunca mencionou isso.

Tifa Lockhart disse...

Múltiplas personalidades me assustam...

Eu fui mestrar D&D para meu grupo de amigos, e a Anna-chan me encheu o saco pra fazer uma maga elfa com tripla personalidade:
uma era boazinha, ajudava todo mundo e bla bla bla;
a segunda era revoltada, piromaníaca e queria matar todo mundo;
a terceira era um sofá. Sim, ela queria se "transformar" em sofá toda vez que escutasse uma palavra x.
Rimos muito pensando como seria se a palavra fosse "orc". XD

Costumo fazer personagens bem diferentes uns dos outros, o Hentai-kun que o diga, eu demoro semanas pra criar a história das minhas personagens... ^^~